Os novos espaços de trabalho

Os ambientes corporativos já vinham passando por diversas mudanças acompanhando os modelos de gestão dos últimos anos. Como em outros segmentos, a pandemia de Covid-19 acelerou tendências e os espaços que ficaram vazios por meses agora recebem colaboradores bem diferentes daqueles que estavam ali até o início de 2020.

NATO,

Todos nós já vimos as famosas imagens de sedes corporativas de grandes empresas de tecnologia que estão repletas de espaços de lazer e descompressão. Entre críticas e elogios, esses espaços chamam a atenção por um foco no bem estar atrelado a um aumento na produtividade. Mas mesmo onde não se pode colocar uma mesa e sinuca e alguns videogames, é possível criar um ambiente agradável de se trabalhar.

Em meados de 2020, com os primeiros picos de casos da Covid-19 e o auge das ações de distanciamento social, os escritórios ficaram vazios e muitas empresas escolheram, inclusive, fechar alguns desses espaços, adotando de vez o trabalho remoto ou híbrido. Mas o movimento está de volta às salas. Enquanto alguns colaboradores veem com receio a volta e se sentem inseguros, outros se adaptaram tão bem ao home-office que não veem muitos motivos para voltar ao espaço corporativo. Então, o espaço de trabalho que já tinha o desafio de aliar bem estar e produtividade, precisam agora se tornar atraentes para que as pessoas queiram estar ali. Mais ainda, esses ambientes precisam fortalecer a cultura de marca, fortalecendo a identidade e o propósito da empresa.

A Syngenta tem feito atualizações em seus espaços físicos nesse sentido. Neste projeto que a NATO desenvolveu, as estações de trabalho estão organizadas de forma dinâmica no espaço, próximas a bancos pensados para favorecer conversas rápidas. Favorecendo a troca de ideias e a integração da equipe, a sala se alinha ao propósito de inovação da empresa.

Nas duas laterais, esquadrias amplas conectam o escritório à vegetação do cerrado e ao restante da planta industrial. Em diversos pontos da circulação entre os blocos surgem espaços abertos de convívio com luz e ventilação natural. Essas são características importantes de espaços alinhados aos conceitos de wellness, uma tendência importante para esse segmento.

Eles também estão presentes em outro projeto, dessa vez em uma região urbana. Em uma sede da Enel, esses espaços de convivência estão nas conexões entre diversos blocos, e convidam os colaboradores a momentos de descompressão.

A vegetação também está presente no espaço interior, com vasos por todo o pavimento. As estações de trabalho em posições e tamanhos diversos dividem espaço com pequenos ambientes de concentração ou para reuniões rápidas. Seguindo a dinamicidade do trabalho, foram pensados ambientes que se adaptam às atividades de cada um em cada momento.

Com um projeto adequado para a realidade de cada equipe e alinhado ao propósito da marca, é possível transformar os espaços e criar ambientes onde as pessoas queiram estar presentes.

Outras publicações

O poder do branding em um processo de incorporações

Entender o público-alvo de um empreendimento é ter as bases para escolhas que resultam em bons resultados. Além de uma maior identificação dos clientes, o projeto se torna mais assertivo e promove uma melhor experiência para quem vai viver naquele espaço.